Atendimento

(62) 3638-1441

Atendimento

(62) 3638-1441

As vantagens da segurança armada

| Curiosidades
As vantagens da segurança armada

As vantagens da segurança armada

A segurança armada vem sendo uma das alternativas utilizadas por condomínios para evitar roubos e invasões. Na hora de contratar o serviço, é preciso pensar na quantidade de postos, na escolha do turno dos profissionais e a instalação de forma estratégica. Para isso, devem ser levadas em conta a localização, tamanho das áreas e, sobretudo, as condições financeiras do condomínio.

 Condomínios de acima de 100 casas, a sugestão é de 50 vigilantes. Ele diz ainda que há condomínios clientes da empresa, de 200 casas de alto luxo, com até 80 vigilantes.

 A localização já não é mais um critério, embora alguns perfis de condomínio precisarem mais que outros. "Se a gente pudesse zonear a necessidade, os condomínios de praia apresentam uma necessidade maior do que os urbanos. Os que têm uma extensão muito grande de área", destaca o também diretor do Sindicato das Empresas de Segurança Privada (Sindesp-CE).

Segundo ele, a necessidade de contratação de segurança armada está mais vinculada às condições financeiras dos condôminos. "Um posto de vigilância armada diurno de 12h custa R$ 7.980. Um posto 12h noturno custa R$ 9.500. Um de 24h, somam-se os valores. Cada posto conta com dois profissionais que se revezam em dias de trabalho", explica. (Os preços são do Grupo Viper). Segundo Edson, do Grupo Servnac, não há diferença de preço para vigilância desarmada e armada e que um posto de vigilância 24h é de 20 a 30% mais caro do que um de 12h. Por questões comerciais, os valores não foram revelados.

Ao contratar um serviço de segurança armada, é preciso verificar se a empresa de vigilância está em dias com os alvarás. "A vigilância tem de ser feita por empresas devidamente credenciadas pela Polícia Federal e o alvará tem de ser renovado anualmente", diz Flávio. Para liberar o alvará são feitas análises das instalações físicas da empresa, nível de segurança para guardar a arma, do quadro de sócios da empresa, comunicação entre base e viatura, caracterização da viatura, dentre outros fatores. A compra de armamento e de coletes balísticos precisam ser aprovadas pela Polícia Federal e pelo Exército Brasileiro. Segundo Flávio, para garantir ainda mais a segurança, é importante também que a vigilância armada esteja aliada a outros tipos de ações como equipamentos de segurança, cerca elétrica, sensores etc.

Policiais e psicológos

O cuidado com a escolha dos profissionais que irão atuar armados é um critério importante para as empresas. Segundo Edson Arouche, os profissionais do Grupo Servnac são capacitados na Escola de Formação de Vigilantes Coronel Guanabara, na Sapiranga. "São feitas avaliações tecnológica, psicológica, física, de manuseio da arma e educacional. Os profissionais são reciclados a cada seis meses", afirma. As aulas são ministrada por policiais militares e federais aposentados e contam com psicólogos para acompanhar os vigilantes. Todo o curso dura entre 60 a 90 dias. A empresa conta ainda com uma reserva técnica de 40 profissionais.


Dicas

É hora de contratar a segurança?
Verifique a localização. Condomínios de residências e mais distantes da zona urbana, como os de praia, tendem a precisar mais da segurança armada.

Atenção à guarita. A guarita distante da entrada de veículos e a difícil visibilidade da torre para o acesso de pedestres são fatores que pedem para estudar estrategicamente onde colocar os profissionais.

Saiba se os condôminos concordam. Nem sempre todos os moradores vão achar que segurança armada é a melhor saída, acreditando até numa insegurança com a medida. Convoque assembleias e entre em acordo com todo o mundo, inclusive se o condomínio pode pagar pelo serviço.

Considere outras opções de segurança. É importante aliar a segurança armada com instalação de câmeras de segurança, cerca elétrica, sensores etc.

Cuidado com os clandestinos. Há muita oferta de empresas e seguranças armadas autônomas que não estão regularizados com a Polícia Federal. O preço baixo que os clandestinos oferecem podem ser atrativos, mas não garante a segurança do imóvel.